Manutenção guincho T-Max

Publicado por em 12 de Março de 2015

Eu sou adepto das manutenções preventivas, ou seja, assegurar que tudo é feito para que as peças não avariem. E isto aplica-se aos componentes do carro, mas também se pode aplicar aos extras que vamos montando, e que, com o tempo, e por via da utilização, sofrem desgaste.

Com isso em mente, decidi meter mãos à obra e abrir o meu guincho. O guincho em causa é um T-Max Outback 12.500 (ver artigo original aqui), que montei em 2009. Tem portanto, 6 anos e, na minha opinião, já pagou o investimento que fiz na sua compra em diversas situações, sendo que uma das mais exigentes foi sem dúvida a viagem a Marrocos em 2010 (ver artigo aqui).

Um dos maiores problemas nos guinchos prende-se com a estanquicidade, ou melhor, a falta dela. Pó e acima de tudo, água, podem entrar no guincho, misturando-se com a massa de lubrificação o que provoca menor eficácia e, como consequência, maior aquecimento (ou em casos extremos, o avariar). O meu guincho será, em teoria, relativamente protegido, pois o modelo Outback será um dos mais robustos da marca T-Max e, segundo a marca, o que maior estanquicidade promete.

tmax_ew12500

O primeiro passo, no meu caso, é retirar o para-choques e a grelha da frente. O cabo deverá ser todo desenrolado para podermos desmontar tudo sem problema.

Como não podia deixar de ser (raio do Murphy, hein?) o retirar o guincho do berço mostrou ser uma operação muito complicada. Os parafusos que prendiam o guincho oxidaram e em quatro, três acabaram por partir ao tentar desapertar, ou seja, a cabeça do parafuso partiu, e fiquei com a rosca presa dentro do guincho e do berço. Mas nada que algumas horas não resolvessem, e o guincho lá acabou por sair.

O guincho é constituído por três partes principais: o centro onde temos o tambor que alberga o cabo, a zona da esquerda onde temos o motor e todas as ligações elétricas, e a direita onde está o manipulo que “embraia” ou “desembraia” o motor das engrenagens internas. A zona do motor é limpa, e pode ser aberta apenas para verificar que no interior não existe sujidade (felizmente no meu caso não existia), pelo que o desafio era mesmo abrir a zona da direita onde estão todas as engrenagens envoltas em massa de lubrificação.

Ao abrir fiquei alegremente surpreendido ao verificar que não existia água, nem lama dentro do aparelho, mas segui em frente uma vez que já estava aberto, era a altura ideal para substituir a massa de lubrificação, verificar todas as engrenagens e assim, espero eu, ter guincho para mais uns anos.

Após remover esta peça, removem-se as duas tampas do tambor central, com cuidado para não estragar os vedantes. No meu caso, os vedantes estavam um pouco danificados, e as próprias peças apresentavam já um aspeto duvidoso.

A partir daqui, e sempre com algum receio de não conseguir voltar a montar tudo direito, fui desmontando peça por peça o interior tendo sempre o cuidado de registar tudo para poder, depois de limpo, voltar a montar. São menos peças do que esperava, e tudo peças grandes, robustas, e que não deixam grande margem para dúvida na sua instalação.

Após ter desmontado toda a zona das engrenagens, chegou a altura de desmontar também a zona do tambor central.

Uma vez tudo desmontado, passamos ao árduo trabalho de limpeza. Utilizei petróleo e com muita paciência limpei as peças uma a uma até não existirem sinais da massa lubrificante antiga. A inspeção visual a todas as peças deixou-me satisfeito, pois tudo parece estar em boas condições, sem qualquer sinal de desgaste. Exceção feita aos vedantes que teriam de ser substituídos para o trabalho ficar bem feito.

Depois da parte mecânica despachada, virei as minhas atenções para as tampas laterais e para o tambor em si. Foi tudo limpo com escova de aço, e depois aplicado um spray de metalização a frio. Ficou com ar de novo, mas infelizmente as fotos que tinha tirado do processo perderam-se num problema que tive no telefone (raios partam a sincronização do iPhone com o iTunes!).

Foi tudo remontado com massa de lubrificação da Wurth (gastei uma lata de um litro) e vedantes novos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*